sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Consórcio volta a descumprir prazo de conclusão de reparo nos novos trens da Trensurb


11/01/2018 - Gaúcha ZH

Mais uma vez, a responsável pelo fornecimento e manutenção dos novos trens da Trensurb, o consórcio FrotaPoa descumpriu o prazo estabelecido e não concluiu o reparo de cinco veículos previsto para o mês passado. Ela já não havia atendido a exigência anterior, de terminar todo o conserto até outubro de 2017.

Na ocasião, nove trens novos estavam sendo usados. Porém, foram identificadas mais infiltrações nas caixas de rolamentos que já haviam passado por reparo em 2016. Atualmente, apenas seis dos 15 veículos novos estão em circulação. Em nota, o consórcio informou que tem trabalhado em estreita colaboração com a Trensurb para restabelecer gradualmente os trens à operação comercial.

Até o ano passado, a Trensurb estimava que o problema relacionado à infiltração de água nos rolamentos estaria superado em abril de 2018. Agora, ela aguarda uma nova reunião entre a área responsável da Trensurb e o consórcio FrotaPoa.

As empresas — formadas pela Alstom, da França, e Caf (Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles), da Espanha — já foram multadas em R$ 4,87 milhões, o que corresponde a 2% do valor do contrato de compra de 15 novos trens da série A-200. Em 2016, o consórcio já havia sido penalizado em R$ 2,43 milhões.

Os pagamentos ao consórcio estão suspensos desde abril de 2016, quando foram identificadas infiltrações nas caixas de rolamentos dos veículos pela primeira vez. O dinheiro desse contrato está empenhado e não pode ser usado para outros fins. Quanto aos valores de multas, o montante deixará de ser pago ao consórcio e retorna aos cofres da União. Atualmente, a dívida da Trensurb com os fornecedores, referente ao valor que ainda falta pagar pelos trens é de R$ 24 milhões.

Trensurb volta a recolher trens novos que passaram por conserto

18/01/2018 - Zero Hora

O número de trens novos em circulação voltou a reduzir. Em outubro de 2017, nove veículos que haviam sido reparados após a identificação de problemas com infiltração estavam transportando passageiros. Em novembro, apenas seis deles eram usados pela Trensurb. Agora, só quatro trens estão fora do conserto.

Segundo a Trensurb, novamente foi constatada infiltração nos veículos que já haviam passado por reparo. Outro problema que surgiu foi a dificuldade em realizar o nivelamento dos truques dos novos trens (conjunto de rodas, rolamentos, molas, eixos, entre outros itens) que impedem que eles voltem a circular.

Na segunda-feira (15 de janeiro), dirigentes da Trensurb se reuniram com representantes do Consórcio FrotaPoa, formado pelas empresas Alstom e CAF. A empresa pública voltou a cobrar uma solução definitiva "no prazo mais breve possível". Um novo cronograma de reparos será apresentado em nova reunião, que será realizada até o fim de fevereiro.

Até o ano passado, a Trensurb estimava que o problema relacionado à infiltração de água nos rolamentos estaria superado em abril de 2018. As empresas já foram multadas em R$ 4,87 milhões, o que corresponde a 2% do valor do contrato de compra de 15 novos trens da série A-200. Em 2016, o consórcio já havia sido penalizado em R$ 2,43 milhões.

Os pagamentos ao consórcio estão suspensos desde abril de 2016, quando foram identificadas infiltrações nas caixas de rolamentos dos veículos pela primeira vez. O dinheiro desse contrato está empenhado e não pode ser usado para outros fins. Quanto aos valores de multas, o montante deixará de ser pago ao consórcio e retorna aos cofres da União. Atualmente, a dívida da Trensurb com os fornecedores, referente ao valor que ainda falta pagar pelos trens é de R$ 24 milhões.



Expansão do Metrô-DF para Ceilândia e Asa Norte está prevista para 2019


15/01/2018Notícias do Setor ANPTrilhos         
Propostas para expansão da linha de Ceilândia e construção da primeira estação na Asa Norte estão sob análise pelo Ministério das Cidades, que liberou R$ 275,5 milhões para trecho de Samambaia

Após garantir o recebimento de R$ 275,5 milhões do Ministério das Cidades para a expansão do metrô em Samambaia, o Palácio do Buriti aguarda o sinal verde do órgão federal para outros dois projetos: a ampliação em 3,2 km da via dos trens em Ceilândia e a construção da primeira estação da Asa Norte. Pelas estimativas do Executivo local, as obras custariam R$ 354,4 milhões aos cofres da União e R$ 51,4 milhões aos caixas do GDF, totalizando R$ 405,8 milhões. A promessa do aumento da cobertura do transporte sobre trilhos perdura desde meados de 2009, quando o Distrito Federal foi incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade.

O GDF entregou as duas propostas ao Ministério das Cidades em junho de 2015, junto ao projeto relativo à expansão do sistema em Samambaia. Em Ceilândia, estima-se a construção de duas estações para garantir o alcance aos moradores do Setor O. A linha da Asa Norte, por sua vez, ficará próxima ao hospital regional da cidade. O governo espera receber uma resposta sobre as proposições até o próximo ano. No meio tempo, técnicos trabalham no planejamento de outras oito estações, entre a SQN 103 e o Terminal da Asa Norte.

De forma paralela, o GDF pretende finalizar, entre junho e agosto, as obras nas estações inoperantes da 106 e 110 Sul, além da Estrada Parque, entre Taguatinga e Águas Claras. O governo, contudo, não prevê recursos para colocar em funcionamento as paradas da 104 Sul e Onoyama, situada entre as estações Praça do Relógio e Centro Metropolitano, conforme previsto no plano de governo, registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) — o Executivo local pretende pleitear o valor necessário para essas reformas com a União e bancos.

Diretor-presidente da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô/DF), Marcelo Dourado afirma que o governo investirá cerca de R$ 38 milhões na conclusão das obras previstas. “O GDF conseguiu um aporte de recursos do Banco do Brasil e estamos na fase final do processo licitatório. Apenas com a finalização da estação Estrada Parque, beneficiaremos estudantes de cinco a seis universidades”, garantiu.

Samambaia

A previsão é que as obras da expansão do transporte sobre trilhos de Samambaia comece em novembro. O projeto completo, que inclui a modernização do sistema, prevê investimentos de cerca de R$ 315 milhões — R$ 275 milhões provenientes do orçamento-geral da União e R$ 40 milhões do GDF. O valor, contudo, pode cair, a depender do resultado do processo licitatório, cuja previsão de lançamento é junho.

As obras devem durar cerca de três anos e os recursos serão liberados pelo governo federal conforme os avanços da construção. Hoje, Samambaia conta com três outras estações: Furnas, Samambaia Sul e Terminal. As novas paradas serão construídas nas quadras 111, próximo à Feira Livre, e 117, ao lado da Vila Olímpica Rei Pelé. Dourado estima que 30% da população da cidade seja beneficiada com a expansão. “Serão cerca de 78 mil pessoas afetadas direta ou indiretamente”, ressaltou.

Especialista em políticas públicas de transportes e pesquisador da Universidade de Brasília (UNB), Artur Morais vê o investimento com bons olhos. De acordo com o professor, além de melhorar as condições de acesso da população ao sistema, a iniciativa vai incrementar a valorização do imóvel na região. “A média de aumento no valor de unidades residenciais ou comerciais é de 15%. Outro ponto positivo é que as pessoas que trabalham fora e precisavam pegar um ônibus e, depois o metrô, economizarão tempo e dinheiro”, frisou.

Estudo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) aponta que grande parte dos moradores de Samambaia tem empregos fora da região administrativa. Entre os habitantes, 29,59% trabalham no Plano Piloto; 9,23% em Taguatinga e 8,20% e outras localidades. A estimativa, portanto, é que o aumento do alcance das linhas de metrô, desafogue a demanda dos ônibus, por exemplo, que levam 46,86% residentes da cidade ao trabalho.

Mais recursos

O orçamento do Metrô para este ano, que ficou em torno de R$ 416 de milhões, pode crescer. No projeto de lei encaminhado à Câmara Legislativa que detalha o uso do R$ 1,4 bilhão economizado com a reforma da previdência e incrementado com o recebimento de precatórios, consta a destinação de R$ 18,4 milhões ao órgão. O valor será usado na reforma de estações. A de Arniqueiras, em Águas Claras, passará por melhorias na acessibilidade.

VLT de Fortaleza deve ter novo trecho pronto até o fim de fevereiro


08/01/2018Notícias do Setor ANPTrilhos         
Quase cinco meses depois da realização de uma nova licitação para dar continuidade às obras, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) Parangaba-Mucuripe deve ter mais um trecho finalizado até o fim do próximo mês.

Dividido em três partes e com 66,2% de execução, o modal funciona em operação assistida desde julho do ano passado no trecho de 5 km de extensão entre as estações Parangaba e Borges de Melo. Em fevereiro, a previsão da Secretaria da Infraestrutura do Estado (Seinfra) é entregar a parcela que corresponde à construção da passagem inferior da Avenida Borges de Melo, que tem 90% dos trabalhos concluídos.

Após o término da nova leva de intervenções, apenas uma etapa do ramal ficará com entrega pendente. Trata-se do terceiro trecho, situado entre as estações Borges de Melo e Iate, que inclui outras cinco plataformas.

Destas, apenas a estação Mucuripe ainda não teve obras iniciadas. Já a estação Antônio Sales é a que se encontra em estágio mais avançado, com mais de 99% dos trabalhos executados.

Segundo a Seinfra, o trecho entre as estações São João do Tauape e Borges de Melo está em operação experimental, funcionando sem passageiros. O teste servirá para alinhar e nivelar a linha férrea. O órgão não informou quando começará a operação com usuários, mas destacou que a expectativa é entregar toda a terceira etapa do modal até o fim de 2018.

Essa é a única parcela do VLT que ainda possui desapropriações em andamento. De acordo com a Seinfra, o projeto do ramal prevê 2.600 imóveis desapropriados. Desses, 10% não foram desocupados, todos no terceiro trecho de obras.

Operação assistida

Com intervenções já finalizadas, o segundo trecho do VLT, entre as estações Parangaba e Borges de Melo, funciona em operação assistida desde o último mês de julho. Conforme a Seinfra, até o dia 27 dezembro, 66.406 passageiros haviam sido transportados pelo modal.

A operação assistida acontece de segunda a sexta-feira, no período que vai das 6h até o meio-dia. O transporte dos passageiros é feito de forma gratuita.

O atraso na entrega dos demais trechos se deve às seguidas paralisações das obras, ocasionadas por problemas contratuais com as empresas selecionadas para executar os trabalhos. Em agosto, após um distrato com o consórcio responsável pelas intervenções no terceiro trecho, uma nova licitação foi realizada para dar continuidade à obra.

O trecho foi dividido em três lotes de licitação. O lote I corresponde à construção de quatro viadutos ferroviários na região das avenidas Rui Barbosa, Antônio Sales, Dom Luís e na Rua Aderbal Nunes Ferreira; de um elevado à altura da Avenida Aguanambi; e de duas pontes sobre o riacho do bairro São João do Tauape. O segundo lote inclui a construção e conclusão de seis estações e três passarelas. Já o terceiro se refere às obras nas vias férreas e acessos.

Histórico

Antes disso, em 2014, o Governo do Estado rompeu o contrato com o primeiro consórcio à frente das obras do ramal, que fazia parte do pacote de projetos de mobilidade para a Copa do Mundo no Brasil, naquele mesmo ano. A quebra do acordo foi atribuída ao descumprimento de prazos por parte das empresas. Os trabalhos só foram retomados em 2015, com a realização de outra licitação.

O VLT Parangaba-Mucuripe deverá passar por 22 bairros de Fortaleza e atender mais de 500 mil moradores da Capital. Ao todo, o projeto conta com 10 estações, distribuídas ao longo de 13,6 km de extensão. A previsão da Seinfra é que o percurso de uma extremidade à outra da linha seja percorrido em aproximadamente 30 minutos, com intervalo de sete minutos entre veículos, em média.

O transporte terá, ainda, integração com outros modais na Capital. A estação Parangaba possibilitará a ligação do ramal com o terminal de ônibus do bairro e a Linha Sul do Metrô de Fortaleza. Já a estação Papicu será conectada à Linha Leste do Metrô e ao terminal rodoviário da região.

03/01/2018 – Diário do Nordeste

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Viaduto estaiado da Linha 13-Jade é concluído



29/01/2018 - Metrô CPTM

Parte mais atrasada das obras civis da Linha 13-Jade, o viaduto estaiado duplo foi concluído na última semana com a instalação dos últimos estais e a concretagem das ligações entre todos os trechos. Nas próximas semanas as estruturas metálicas que dão forma ao concreto serão retiradas e o imenso viaduto ganhará sua forma definitiva.

A construção do viaduto estaiado começou mais tarde do que o restante das obras por conta de uma mudança no projeto. Originalmente, o trecho seria transposto por meio de viadutos com a técnica de construção chamada de balanços sucessivos, que foi usada, por exemplo, para superar a Via Dutra alguns quilômetros à frente. Porém, a concessionária da Rodovia Ayrton Senna barrou a solução por interferir no viário e a CPTM acabou optando pelo uso dos estais que permitem vãos maiores.

Com dois mastros de 70 metros de altura (equivalente a um prédio de 20 andares), o viaduto tem um vão central de 180 metros – para efeito de comparação, o vão por cima da Dutra possui 120 metros de extensão. São 24 estais de cada lado das pontes num total de 96 cabos instalados. Agora, com o final das obras civis mais pesadas, os trabalhos estão concentrados em finalizar as vias e na instalação de trilhos, sistemas e alimentação elétrica.

Previsão para março

Assim como outras obras do Metrô, o prazo dado pelo governo é março deste ano, último mês em que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) terá para inaugurar pessoalmente qualquer projeto caso queira mesmo ser o candidato à presidência pelo seu partido. Ou seja, são cerca de 60 dias para finalizar todos os trabalhos e iniciar os testes com os trens. Por essa razão, é bem provável que Alckmin até ande a bordo de um trem da CPTM no trecho em modo manual antes de descompatibilizar do prazo.

Já para os futuros usuários da linha, que ligará o Aeroporto de Guarulhos à rede metroferroviária, será preciso um pouco de paciência. O início da operação será restrita tanto em horário quanto em frequência de trens, necessários para que tudo seja testado e ganhe confiabilidade. Aos poucos, o serviço deve ser ampliado até chegar à operação plena, provavelmente a partir do segundo semestre.


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Metrô da Gávea: MPRJ diz que estado não pode usar empréstimos em obra



Estruturas de concreto tapam os acessos ao buraco em que era construída a estação do metrô da Gávea - Agência O Globo
Estação começou a ser inundada, para evitar danos a estruturas vizinhas
POR O GLOBO
16/01/2018 4:30 / atualizado 16/01/2018 7:21
·          
RIO - O impasse que ronda a estação Gávea da Linha 4 do metrô — que, sem recursos para ser concluída, foi inundada para evitar deslocamentos do solo, como revelou O GLOBO nest segunda-feira — está longe de acabar. O Ministério Público estadual considera que uma eventual tentativa de engenharia financeira por parte do estado, como remanejar saldos de outros empréstimos para obter os R$ 700 milhões necessários para a conclusão do projeto, seria uma manobra ilegal.

No entendimento de promotores, uma realocação de verbas não seria possível porque estados e municípios precisam de autorização legislativa prévia para contrair dívidas relativas a investimento em infraestrutura. Além do projeto em si, deputados e vereadores devem analisar as condições para o pagamento da dívida, os prazos e a taxa de juros estipuladas nos contratos, por exemplo. Essa era a alternativa que vinha sendo estudada pelo secretário de Transportes, Rodrigo Vieira, pois o repasse de quase R$ 1 bilhão do BNDES que tinha sido aprovado para a obra precisaria ser submetido ao crivo da União, que beneficiou o estado com um plano de recuperação fiscal. Procurado ontem, ele não quis comentar a posição do Ministério Público.

AÇÃO POR INDENIZAÇÃO
A 4ª Promotoria de Justiça do Ministério Público apresentou, em junho de 2017, uma ação civil na qual pede que o estado seja ressarcido em R$ 3,2 bilhões por somas que teriam sido repassadas a empreiteiras que trabalhavam na Linha 4 de forma irregular. O sobrepreço teria sido constatado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que analisou o histórico de pagamentos feitos nos últimos anos.

LEIA MAIS:
Nesta segunda, O GLOBO mostrou que, diante da paralisação da da obra, o governo estadual decidiu desligar as bombas de sucção que mantinham seco o buraco em que era construída a estação do metrô da Gávea. A medida foi tomada porque os trabalhos no local foram interrompidos há quase três anos e meio. Especialistas estavam preocupados com a pressão exercida por um lençol freático, que poderia provocar danos a prédios vizinhos, como o da Pontifícia Universidade Católica (PUC).

Com as bombas desligadas, a água do lençol freático começou a inundar o buraco, reduzindo a pressão em terrenos do entorno. A decisão do govenro do estado seguiu uma recomendações de um laudo técnico contratado pela concessionária Rio Barra, responsável pela construção da Linha 4.

O custo para manter o canteiro de obras da Gávea parado virou uma caixa-preta. Antes do desligamento das bombas, a empreiteira teve que fazer um reforço estrutural nas escavações, para que elas suportem cinco anos de inatividade. Se as obras não forem retomadas nesse prazo, o buraco será esvaziado, e engenheiros farão uma nova vistorias em suas estruturas.

ADUELAS AO SOL E À CHUVA
Em um terreno da Avenida Francisco Bicalho, na Leopoldina, estão expostas ao sol e às chuvas cerca de 3 mil aduelas — anéis feitos em concreto — que deveriam ser utilizadas na construção da estação do metrô. O estado não divulgou o custo nem o estado de manutenção das peças. Também não há informações sobre os gastos com o chamado tatuzão, gigasntesca máquina escavadora que que permanece estacionada sob a Rua Igarapava, no Leblon. O equipamento ainda precisa ser usado para perfurar 1.200 metros de rocha. Se isso não for feito, a Gávea não poderá ser interligada às cinco estações já em operação na Linha 4, entre Ipanema e o Jardim Oceânico, na Barra.

De acordo com o Ministério Público, os custos de manutenção dos canteiros de obras parados são alvos de uma outra investigação. Em março do ano passado, O GLOBO estimou que os prejuízos já chegavam a mais de R$ 34 milhões ao mês. O consórcio e estado discutem quem deve pagar essa conta.

Na semana passada, Rodrigo Vieira disse que o estado entende que parte da despesa é de responsabilidade da concessionária Rio Barra. Ele, no entanto, não divulgou estimativas do custo. A Rio Barra também foi procurada, na última sexta-feira, mas preferiu não se manifestar.

A estação da Gávea foi projetada para ser a mais profunda do metrô do Rio, ficando a 55 metros da superfície. A estimativa era de que 19 mil passageiros circulariam pelo local. Lançado em 2010 pelo então governador Sérgio Cabral, o projeto previa que todas as estações da Linha 4 ficariam prontas antes da Olimpíada de 2016. Em 2013, diante o cronograma apertado, o secretário de Transportes da época, Júlio Lopes, admitiu que não haveria tempo hábil para cumprir a meta. Na ocasião, ele chegou a ser desmentido pelo estado.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Novas estações do VLT entram em operação na Baixada Santista


08/01/2018Notícias do Setor ANPTrilhos         

Por meio da EMTU, o Governo do Estado entregou à população da Baixada Santista, nesta quinta-feira (4), três estações do VLT com portas de plataforma: Emmerick, N. S. das Graças e José Monteiro, em São Vicente. Já as plataformas de Itararé e João Ribeiro, em São Vicente, e Nossa Senhora de Lourdes, Pinheiro Machado e Terminal Porto, em Santos, terão a instalação do equipamento concluída até o fim, de janeiro, completando as 15 estações do trecho Barreiros-Porto.

O investimento foi de R$ 123,1 milhões. Além das novas estações com portas de plataforma, entrarão em operação nesta semana mais dois novos VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), totalizando os 22 carros contratados. No Terminal Porto, foram entregues quatro dos sete veículos auxiliares destacados para manutenção do sistema, com investimento total de R$ 10,8 milhões. Os três últimos serão entregues no mês de fevereiro.

O terceiro trecho do VLT (Barreiros-Samaritá) avança, a partir desta quinta-feira (4), com a autorização para a publicação de edital de contratação dos projetos básico e executivo para recuperação da ponte “A Tribuna” e acessos por onde o VLT circulará. O edital tem previsão de publicação ainda em janeiro.
A recuperação e o reforço da estrutura sobre o Canal do Mar Pequeno são necessários para assegurar a transposição do local, ao interligar a área continental à porção insular do município de São Vicente, permitindo a implantação do projeto.

Segurança

As portas de plataforma são telas situadas na borda do local de embarque de usuários. O equipamento protege a via férrea e tem uma das portas com movimento de abertura e fechamento sincronizado com os dispositivos do veículo. Entre as várias funções, elas organizam o trânsito de passageiros, melhoram o controle climático da estação e aumentam a segurança, ao impedir que pessoas não autorizadas entrem nas plataformas.

As estações Ana Costa e Bernardino de Campos foram as primeiras do trecho Barreiros-Porto com as portas de plataforma instaladas. Assim como os veículos já em operação, os novos VLTs entregues possuem 2,65 m de largura por 44 m de comprimento e 3,20 m de altura, com capacidade para 400 usuários. A velocidade média é de 25 km/h (a máxima chega a 80 km/h).

Os carros também contam com ar condicionado e piso 100% baixo, o que facilita a movimentação de passageiros com dificuldade de locomoção. Entre os veículos auxiliares de manutenção está o “Locotrator”, um trator de manobra para rebocar e manobrar o VLT e outros veículos auxiliares de manutenção nas vias principais, além de pátios de manutenção e estacionamento.

Um caminhão rodoferroviário será utilizado para transportar cargas do pátio de manutenção para a linha do VLT e vice-versa. Também entrarão em operação um caminhão rodoferroviário com guindaste e um veículo auxiliar leve de via, usado para diversos serviços, como o deslocamento rápido de emergência para solucionar algum tipo de ocorrência técnica.

Integração

O ano de 2017 consolidou o VLT como fundamental para a mobilidade dos usuários na Baixada Santista. Em janeiro, foram entregues 4,5 km e as cinco estações restantes do primeiro trecho (Bernardino de Campos, Ana Costa, Washington Luiz e Porto, em Santos, e Terminal Barreiros, em São Vicente). O sistema passou, então, a operar nos 11,5 km planejados.

Em agosto, teve início a operação do pátio de estacionamento e manobras. Localizado no Terminal Barreiros e com capacidade para seis VLTs, o ponto é importante como apoio à circulação dos veículos no sentido Barreiros-Porto. No mesmo mês, foi disponibilizado aos usuários do terminal um bicicletário para 100 unidades, além do edifício de apoio, com área de 164 m², sala administrativa e banheiros para o uso dos condutores.

A integração tarifária de dez linhas municipais de Santos com o VLT começou em setembro, propiciando aos usuários uma economia de R$ 3,50 em cada viagem. Oito linhas metropolitanas também passaram a fazer integração ao novo sistema, no total de 45 serviços intermunicipais.

Os passageiros passaram a contar com a integração entre os três modais (intermunicipal, VLT e municipal), pagando o valor da maior tarifa mais R$ 1. A integração ocorreu com base no convênio assinado em julho de 2017 entre o Governo do Estado e a prefeitura de Santos.


04/01/2018 – Governo do Estado de São Paulo

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Governo do Estado assina termo aditivo ao contrato de concessão da SuperVia


08/01/2018 Notícias do Setor ANPTrilhos        
Medida regulará a construção de empreendimentos comerciais

O governador Luiz Fernando Pezão assinará, nesta quinta-feira (21/12), um aditivo ao contrato de concessão da SuperVia que vai regular a construção de empreendimentos comerciais em estações de grande circulação, como a Central do Brasil. Nela, será construído um shopping com 276 lojas (erguido sobre as plataformas dos trens), cinemas e um hotel três estrelas com 200 quartos. Este será o primeiro shopping no conceito “vaga zero” do estado.

Essa infraestrutura comercial trará efeitos positivos para todo o sistema de transporte público, como a equalização do fluxo de passageiros nos horários de pico, reduzindo a variação do número de composições necessário para o atendimento nos momentos de maior demanda. Além disso, aumentará a geração de receitas acessórias que, futuramente, ajudará na redução do custo das tarifas.

Do ponto de vista urbanístico e de mobilidade urbana, a região da Central do Brasil apresenta um grande potencial, já que o entorno conta com estações de trem, metrô e VLT, terminal rodoviário e teleférico. Por ali transitam, diariamente, cerca de 600 mil pessoas, o que a torna um dos principais pontos de passagem da capital.

O projeto também contribuirá com recursos de contrapartida para a restauração de áreas importantes do prédio histórico da Central do Brasil e a reurbanização e organização do entorno, tendo como base os resultados dos estudos conduzidos pelo Estado, Prefeitura e modais, financiado pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

– Não há outro local que agregue tantos modais, empresas e passageiros. Se as pessoas chegarem à estação e puderem usufruir de um shopping, conseguiremos gerenciar melhor a demanda, criando um ambiente mais organizado e seguro. Esse investimento em áreas comerciais é uma tendência mundial e Hong Kong é um caso especial em termos de uso do transporte público integrado – destacou o secretário de Estado de Transportes, Rodrigo Vieira.


21/12/2017 – Secretaria Estadual de Transportes do Rio de Janeiro