quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Para elevar receita, CPTM planeja dois novos projetos de concessão em SP

16/09/2016 - Folha de São Paulo
A CPTM (companhia de trens metropolitanos) planeja dois novos projetos de concessão para elevar sua receita não tarifária, afirma o presidente, Paulo Magalhães

Eles devem seguir os moldes do empreendimento que a empresa prevê criar na região do Brás (centro de São Paulo), que inclui shopping, hotel e prédio empresarial.

Terrenos em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, e em São Miguel Paulista, na zona leste da capital, estão em análise. "A estimativa é que cada iniciativa amplie a receita em 5% ou 6%."

As audiências públicas das propostas estão previstas para o primeiro semestre de 2017.

Nesta quinta (15), o executivo receberá Brieuc Pont, cônsul-geral da França em São Paulo, e Nicolas Jachiet, CEO do Grupo Egis, em visita às obras da linha 13-Jade.


O projeto recebeu R$ 1,1 bilhão da Agência Francesa de Desenvolvimento, e deverá ser concluído até a primeira metade de 2018.

CPTM é condenada na Justiça por trem superlotado


13/09/2016 07:17 - Folha de SP
O STJ (Superior Tribunal de Justiça) condenou a CPTM a pagar indenização de R$ 16,5 mil, por danos morais, a um advogado que viajou em um trem superlotado. A empresa, do governo Geraldo Alckmin (PSDB), vai recorrer.
O episódio ocorreu em 2 de fevereiro de 2012, às 18h30 –tradicional horário de pico na rede de trem e do metrô.
A ação judicial foi movida pelo advogado Felippe Mendonça, 38, morador da capital paulista. Ele diz que embarcou na estação Pinheiros, da linha 9-esmeralda, sentido Grajaú, e que a composição lotou já na estação seguinte.
A partir de então, disse ter visto funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) empurrando mais gente para dentro do vagão. Ele usou seu celular para registrar toda a situação em fotos e vídeos, que foram anexados ao processo.
O advogado diz que, como foi "impossível continuar no trem", teve que descer na estação Morumbi, uma antes do seu destino final (Granja Julieta). Ele entrou com a ação judicial no dia seguinte.
Em julho de 2012, perdeu em primeira instância. Interpôs recurso e, em agosto de 2013, uma decisão do Tribunal de Justiça lhe deu ganho de causa. O STJ confirmou a decisão no último dia 2, depois de recurso da CPTM.
A superlotação no sistema metroferroviário é alvo de queixas frequentes de usuários –em 2011, por exemplo, conforme reportagem da Folha, 6 das 12 linhas das duas redes tinham média nos picos superior a seis passageiros por metro quadrado, limite considerado aceitável por parâmetros internacionais.
'ESMAGADAS'
"As pessoas não podem ser empurradas ou esmagadas em um trem. Que usem os celulares para fazer provas", defende Mendonça.
O valor da causa foi de R$ 15 mil, além de R$ 1.500 de honorários –como ele advogou em causa própria, poderá ficar com tudo.
Mendonça diz que vai defender um cliente em uma ação similar à dele em breve.
"Não acho que o caso vai gerar automaticamente uma condenação em massa, mas é possível. Talvez sejam mais adequadas ações coletivas da Defensoria Pública", disse.Para Silvio Luis Ferreira da Rocha, chefe do departamento de direito público da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica), a indenização da CPTM a Mendonça poderá ter desdobramentos.
RECURSO
A CPTM informou que ainda tentará reverter a decisão judicial por meio de recurso e "que não comentará caso sob análise da Justiça".
A companhia afirmou à reportagem que "está modernizando a infraestrutura das seis linhas, as estações e substituindo todos os trens antigos por novos".
Ainda de acordo com a CPTM, o transporte sobre trilhos é "a melhor opção para os deslocamentos na capital e Grande São Paulo". 


Linha 13-Jade da CPTM terá operação depois das 0h e conexão com aeroporto


Revista Ferroviária

Com cronograma conjunto ao do Aeroporto Internacional, CPTM quer inaugurar linha de conexão até julho de 2018

A Linha 13-Jade da CPTM, que a princípio ligará o Aeroporto Internacional de Guarulhos à Estação Engenheiro Goulart, na zona Leste da capital, em 12,2 km de trilhos, deve ter operação após à meia-noite, o que hoje não ocorre em nenhuma linha da empresa, para atender os passageiros do aeroporto. Além disso, está previsto que a concessionária que administra o aeroporto viabilize uma conexão entre a estação da CPTM e o terminal de embarque do aeroporto. Segundo o presidente da CPTM, Paulo de Magalhães Bento Gonçalves, que participou ontem (14) de painel na 22ª Semana de Tecnologia da Aeamesp (Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô), a empresa está compatibilizando o cronograma com o Aeroporto Internacional de Guarulhos, para que ambos transportes estejam prontos na mesma época. A intenção da CPTM é inaugurar a Linha 13 até julho de 2018.


Serão 8 novos trens utilizados na Linha 13-Jade. Estes trens devem contar com bagageiro e maleiro, para atender os passageiros do aeroporto e estão em processo de licitação. Mesmo sem os trens prontos, em julho de 2018, a CPTM vai manter o plano de inauguração da linha, utilizando, segundo Gonçalves, outros trens, como os da frota CAF ou da frota Hyundai Rotem, adquiridos recentemente e que estão sendo entregues. A Linha Jade deve viabilizar a viagem entre o Aeroporto Internacional de Guarulhos e a Estação Brás, fazendo a integração com a Linha 12-Safira em Engenheiro Goulart, em 34 minutos. A Estação Engenheiro Goulart, aliás, está sendo ampliada para fazer a conexão. De acordo com Gonçalves, as obras na estação, que terá 5 vezes o tamanho original, está com avanço de 65%. O investimento na Linha 13 é de R$ 2,2 bilhões.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

VLT vai entrar em operação experimental nesta terça-feira

26 de setembro de 2016 às 12:49CearáCidadaniaCidadesEconomiaTransportes
O Governo do Ceará iniciará, nesta terça-feira, o processo de implantação do ramal Parangaba-Mucuripe, a ser operado por Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Nesta data, terá início a operação experimental do ramal do sistema, a ser realizada pela Cia. Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor), empresa vinculada à Secretaria das Cidades.
Nesta fase experimental, segundo a assessoria da pasta das Cidades, o trem circulará entre as estações Montese e Borges de Melo, no trecho 2 da obra, executada pela Secretaria da Infraestrutura (Seinfra).
Uma coletiva de imprensa ocorrerá nesta terça-feira, na estação Montese, para apresentar mais informações sobre o andamento dos trabalhos no ramal Parangaba-Mucuripe e sobre operação, além de divulgar o hotsite idealizado para o acompanhamento da obra do VLT.
Os 3,6 quilômetros de operação experimental equivalem a 70% do trecho 2 do VLT, composto ainda pelas estações Parangaba e Vila União; e 30% de toda a obra do modal. A operação experimental será realizada sem passageiros, de segunda a sexta-feira, das 10 às 11 horas, com previsão inicial de quatro viagens por dia.

Durante a passagem do VLT, nas Passagens de Nível – PN (Ruas 13 de abril, Almirante Rufino, Luciano Carneiro e Equador), agentes da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC), treinados juntamente com técnicos do Centro de Controle Operacional (CCO) da Metrofor, atuarão com viaturas para garantir a segurança dos testes.

Novos trens do metrô chegam a Salvador

Dois chegaram na semana passada e mais um está previsto para chegar amanhã
Maria Landeiro (maria.landeiro@redebahia.com.br)
26/09/2016 15:14:00Atualizado em 26/09/2016 20:45:05


O terceiro novo trem do metrô chegará a Salvador nesta terça-feira (27) à noite. Dois novos equipamentos já estão na capital desde semana passada. Os trens estão no Pátio Pirajá, sede da CCR Metrô Bahia, concessionária responsável pela construção e operação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas. 
Eles irão passar por uma fase de testes e ainda não há previsão para começarem a rodar. Segundo a assessoria da CCR Metrô Bahia, os trens devem ser incluídos na frota gradualmente, de acordo com o aumento da demanda e o avanço da Linha 2 do Metrô, que ligará o Acesso Norte até o Aeroporto Internacional de Salvador. 
Os novos trens são da série 2000 que, além de contarem com ar-condicionado, têm portas de embarque/desembarque mais largas, sistemas de vídeo com câmeras de vigilância, passagem livre entre carros (gangway), sistema de informação aos passageiros por meio de monitores do tipo LCD e sistema de vídeo para comunicação com o usuário. 
Com a chegada dos novos equipamentos, Salvador vai passar a contar agora com 17 trens da série 2000 em fase de testes no pátio da CCR, além de outros onze em operação da Linha 1, com capacidade para 200 mil pessoas. Do total de carros que já estão operando, cinco são da série 2000 e seis da série 1000. Por dia cerca de 47 mil passageiros são transportados. A frota completa, contando com as linhas 1 e 2, terá 40 trens, sendo 34 da série 2000.

O investimento inicial para a implementação do metrô de Salvador foi de R$ 4,2 bilhões. Para completar a frota faltam chegar mais 11 trens, que também serão da série 2000. De acordo com a assessoria da CCR Metrô Bahia, a previsão é de que em outubro cheguem mais dois.

Apenas 39,4% dos ônibus de linhas regulares do Rio têm ar-condicionado

05/09/2016 09:11 - O Globo

RIO — Nos dias em que precisa ir ao Jardim Botânico, onde faz mestrado em Botânica, Beatriz Castro Miranda, de 28 anos, leva de duas horas e meia a três horas e pega dois ônibus para chegar ao seu destino. Na volta para casa, na Ilha do Governador, é outra longa viagem, geralmente sem refresco. As horas perdidas no trânsito, porém, poderiam ser acompanhadas de mais conforto se estivesse perto de ser cumprida a cláusula do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado pela prefeitura com o Ministério Público, em 2013, estabelecendo prazo até o fim de 2016 para que todos os ônibus do Rio tivessem ar-condicionado.
Mas a Cidade Olímpica está bem longe de alcançar os 100% de coletivos climatizados. Dados obtidos através da Lei de Acesso à Informação, solicitados pelo GLOBO, mostram um legado de “quentões”. Em julho, dos 7.847 ônibus de linhas regulares do Rio, apenas 3.090 tinham ar-condicionado, ou seja, 39,4% do total. O pedido foi feito no dia 16 de julho e respondido em 23 de agosto pela Coordenadoria Geral de Gestão da Operação da Secretaria municipal de Transportes. A prefeitura, porém, não informou que linhas operam esses veículos refrigerados.
— Certamente, a situação já foi pior do que é hoje. Mas ainda é muito ruim. Às vezes consigo pegar um ônibus refrigerado. Numa cidade quente como a nossa, é cansativo viajar horas num ônibussem ar — diz Beatriz.
A auxiliar de escritório Samira Kader, de 30 anos, passa pelo mesmo incômodo. São três ônibusaté chegar ao trabalho e, na volta, mais três até Honório Gurgel, onde mora. E em companhia da pequena Maria Fernanda, sua filha de 2 anos.
— Pego dois ônibus até a Central, onde deixo minha filha numa creche. Depois pego outro até o trabalho, no Largo da Carioca. Quando saio, apanho a Maria Fernanda e voltamos para casa. São seis ônibus por dia. Se consigo três com ar na semana toda, é um milagre — conta Samira.
Informações repassadas pela prefeitura à 8ª Vara de Fazenda Pública, onde tramita processo impetrado pelo Ministério Público estadual, revelam que, em março deste ano, a frota — que foi reduzida de lá para cá — somava 8.552 ônibus em linhas convencionais e 350 em BRTs. Excetuando-se os que trafegam nos corredores expressos, eram 4.861 coletivos sem ar para 3.691 climatizados (43%).
Segundo dados enviados à Justiça, o consórcio Internorte (que opera na Zona Norte) tem apenas 32% dos veículos com ar; o Intersul (que atende à Zona Sul), 52% ; o Santa Cruz (Zona Oeste), 45%; e o Transcarioca (Barra e Jacarepaguá), 49%.
Para José de Oliveira Guerra, professor de Engenharia de Transporte da Uerj que presidiu a extinta Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) no fim da década de 1990, as desculpas de ontem não valem para hoje:
— Antes, os empresários alegavam dificuldades de peças de reposição para não instalar ar nosônibus. Hoje, não é mais assim. É uma mera questão de investimento. É importante considerar que a aparelhagem entra nos cálculos tarifários. O ressarcimento do investimento se dá através da tarifa. Não sabemos as razões de a exigência não ser cumprida. Estamos diante de uma questão jurídico-institucional. Não se trata de um problema técnico.
A dona de casa Helen dos Santos, moradora de Bonsucesso, é outra que protesta. Porém, na tarde da última sexta-feira, conseguiu algo nada comum: embarcar num ônibus com ar-condicionado, no ponto da Avenida Presidente Vargas, próximo à Central do Brasil.
— Que raridade. Deixa eu correr. Não posso perder. Os ônibus com ar somem principalmente quando está calor — apressa-se Helen, puxando a filha Júlia.
Mesmo a Zona Sul tendo mais ônibus climatizados, as queixas dos usuários não diminuem. É o caso de João Luiz Botto, de 35 anos, que trabalha em um hotel em Copacabana:
— São poucos os ônibus com ar, infelizmente. Além da refrigeração, são mais silenciosos. Os outros são muito barulhentos.
O RioÔnibus — sindicato que representa as empresas —, através de sua assessoria, disse que não daria quaisquer informações sobre a implantação de ar-condicionado em seus coletivos, alegando que quem trata do assunto é a Secretaria municipal de Transportes.
Sindicato não informa percentual
A secretaria, por sua vez, não informa o total de ônibus convencionais com ar. Por e-mail, cita percentual de oito meses atrás: em janeiro, 57,93% das viagens (e não dos ônibus) eram feitas em coletivos refrigerados. Segundo o órgão, esse percentual “ainda não está atualizado com os novos veículos que entraram no sistema este ano, com o início das operações do BRT Transolímplico e do Lote Zero (doTransoeste), além de novos ônibus de linhas convencionais”. Alega que “as pesquisas de transporte de passageiros nesses novos carros ainda estão em curso”, e que “o balanço será fechado no fim do ano”. E, apesar da decisão judicial suspendendo efeitos do decreto que fixou nova meta, reiterou que até o fim deste ano 70% das viagens serão refrigeradas.
Em 2013, o Ministério Público estadual ingressou com ação civil pública visando a compensar os impactos das obras do Porto Maravilha na mobilidade urbana. Ainda naquele ano, foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Entre as obrigações, havia a de instalar ar-condicionado em 100% da frota de ônibus do Rio até 31 de dezembro de 2016.
Município não cumpriu a própria meta
Por resolução, em 2015, o município estabeleceu que naquele ano seriam incorporados 2.233 novos ônibus com ar à frota. No fim do ano passado, no entanto, verificou-se que a aquisição dosônibus climatizados passou longe da meta.
— Foram adquiridos apenas 1.553 ônibus climatizados (em 2015), caracterizando déficit de 680 coletivos com ar — conta Laiana Carla Ferreira, assessora jurídica do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (Gaema) do MP.
Além disso, por decreto, o município estabeleceu uma meta diferente da fixada pelo TAC. A obrigação passou a ser de 70% das viagens climatizadas até o fim de 2016.
Ao negar o pedido do quarto recurso impetrado pela prefeitura, em julho, o juiz da 8º vara de Fazenda Pública, Leonardo Grandmasson Chaves, não prorrogou o prazo de climatização da frota. Ele suspendeu os efeitos do decreto de 2015 e fixou multa de R$ 20 mil por cada veículo sem ar após 31 de dezembro.
Mas a briga na Justiça não está encerrada. Segundo o MP, o município chegou a entrar com recurso (agravo de instrumentos) contra a decisão de julho, mas 2ª Câmara Cível manteve a sentença de Leonardo Grandmasson Chaves. Há ainda outro recurso (embargo de declaração) impetrado na 8ª Vara.
— Recorrer é direito de todos. Isso não quer dizer que quem recorre será beneficiado no final. Se condenado, terá de pagar as multas e ressarcir danos — diz o advogado Armando de Souza, presidente da Comissão de Trânsito da OAB-RJ.
Trens avançaram na climatização da frota
Mesmo sem decisões judiciais determinando a climatização, outros meios de transporte de passageiros avançaram mais em relação a dotar os veículos de ar-condicionado. No metrô, por exemplo, 100% das composições são refrigeradas. Na SuperVia, 189 dos 201 trens são climatizados. Segundo a concessionária, 95% das viagens são realizadas em trens com ar-condicionado, em média, nos dias úteis, contra 24% em 2010. No ramal de Deodoro, só circulam trens refrigerados. Nos fins de semana e feriados, os passageiros também ficam livres do calor.
A entrada em operação dos trens chineses, em 2006 e 2007, a reforma de composições e a compra de 120 unidades — 20 pela concessionária e cem pelo governo do estado — permitiram a modernização da frota. Com a chegada de outros 12, adquiridos pelo estado, no primeiro trimestre de 2018, as composições antigas estarão aposentadas, e todos os trens serão climatizados.
Quanto às 17 barcas que circulam na Baía de Guanabara, 11 são refrigeradas. Os catamarãs com ar operam em todas as linhas da CCR Barcas. Entretanto, segundo a concessionária, a frota é alocada de acordo com a necessidade da operação, não havendo embarcações específicas para as linhas. Também não há previsão para que todas as barcas tenham ar-condicionado.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Bondinhos do Pão de Açúcar agora são movidos a energia solar


Em Energia
16 set 2016
Trem, ônibus, carros menos poluentes… E por que não também o bondinho do Pão de Açúcar?

Um dos pontos turísticos mais conhecidos do Rio de Janeiro agora é movido a energia solar (o que poupará a emissão de aproximadamente seis toneladas de CO2 por ano).
Para o projeto sair do papel, foram implementadas 10 placas fotovoltaicas em uma parede vertical próxima ao bondinho, que inclusive são enxergados pelos visitantes do ponto turístico.
Uma parceria entre a Panasonic e a Alsol, a iniciativa foi um grande desafio por conta da topografia do local. Segundo Gustavo Malagoli, diretor técnico da Alsol, o fato do ambiente estar exposto à salinidade e altas cargas de vento exigiu grande rigor técnico e segurança na hora de implementar a ideia.